sexta-feira, 22 de outubro de 2010

O Poste representou PE na edição do PALCO GIRATÓRIO na PB

Uma experiência maravilhosa e muita festiva! Leiam o que a imprensa local publicou:

A encenação do cordel é atração no Palco Giratório

“Carminha ama José, que ama Tereza, que ama Antônio...” Como no poema Quadrilha, de Carlos Drummond de Andrade, os personagens de Cordel do amor sem fim estão arriscados a não encontrar a felicidade, tamanhos são os desencontros que os rodeiam. Esse é o mote da peça teatral a ser apresentada às 21h30 desta quarta-feira (20), na Área de Lazer do SESC Centro, dentro do projeto Palco Giratório, encenado pelo grupo O poste: soluções luminosas e iluminarias, sob direção de Samuel Santos e compondo o elenco Agrinez Melo (Carminha), Nana Sodré (Madalena e Antônio), e Thomaz Aquino (José). A entrada é franca, tanto para comerciários quanto o público em geral.
Cordel do amor sem fim é uma obra da escritora baiana, Cláudia Barral, inspirada nos relatos que seu pai fazia sobre a cidade de Carinhanha. Embora o título possa remeter ao gênero cordel como praticado no Brasil, ou seja, rimado e metrificado, Cláudia se baseou na tradição ibérica de dependurar em cordas livros, romances e peças de teatro para serem vendidas. O texto bebe na fonte do contemporâneo e transcende o cotidiano do tema proposto e o coloca em outra perspectiva: a da universalidade da relação e do sentimento no seu estado mais primitivo.
Espetáculo
A peça foi premiada em terceiro lugar pelo prêmio Funarte de Dramaturgia, em 2003. E se passa na cidade de Carinhanha, Sertão baiano, às margens do Rio São Francisco, que de certa maneira é um dos personagens da trama. Na cidade vivem três irmãs – a velha Madalena, a misteriosa Carminha e a jovem e sonhadora Tereza –, por quem José é apaixonado. Drummondianamente, Carminha ama José, que ama Tereza que ama Antônio, um viajante por quem ela se apaixona no porto da cidade, no dia em que um almoço marcaria o pedido de casamento feito por José. O moço promete a ela que irá voltar para buscá-la. Toda a trama então se desenrola em função desse tempo de espera e de esperanças. Tereza é tocada por um desejo sem medida, que a faz viver todos os dias em função dele. A certa altura, ela afirma: “o tempo é coisa que não tem medida”. Contada de uma forma poética e com um final surpreendente, tudo de forma poética.
Grupo
A proposta em dar luz do teatro a dança nasceu em 2004. Com trabalhos premiados no Estado e fora dele. No grupo existe a formação de suas atrizes em licenciatura de artes cênicas pela UFPE, com participação ativa em grupos de pesquisa e investigação teatral.
A Área de lazer do SESC Centro fica na Rua Desembargador Souto Maior, 281, região central da Capital.

Nenhum comentário: