sábado, 6 de novembro de 2010

É hoje! Escola de Teatro Fiandeiros e O Poste:um novo relacionamento surge!

Eba! Estamos felizes com o convite da Escola de Teatro Fiandeiros! Realizaremos uma oficina de um mês no espaço do Grupo Fiandeiros de Teatro com alunos da escola e simpatizantes do universo teatral.Vamos lá!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

"O Cordel do Amor Sem Fim" termina mais uma brilhante e vitoriosa temporada!

O espetáculo "Cordel do Amor Sem Fim" terminou a sua temporada no Teatro Joaquim Cardozo no último sábado. Casa lotada e uma energia pulsante e verdadeira emanava naquele espaço, templo de glórias e histórias concernentes ao teatro pernambucano e seus artístas.
Terminamos felizes com a sensação de dever cumprido: O espetáculo não pode parar! E não pode mesmo! Quer dizer, não deve!Pois fizemos a nossa função:divulgar arte para o povo e com o povo!
Para tanto, promovemos debates,escutamos sugestões,ganhamos o espaço, a divulgação foi tomando corpo, o falatório ia circulando, a exposição de fotos foi digna (obrigada Ariela!), convidamos artistas para estudos dirigidos, exercitamos novas técnicas, organizamos formação continuada do elenco e recebemos o apoio total da coordenação do espaço (obrigada Verônika e a toda equipe do Joaquim!). Foi maravilhoso! Queremos agradecer também ao nosso querido diretor e produtor o senhor Samuel Santos que com a sua batuta orquestrou com maestria nossos corpos e espíritos nessa caminhada.
A nossa equipe de iluminadores:Débora,Igor,Ingrid e "Fita" que colaboraram com a nossa criação luminosa!
As famílias Aquino e Galvão pelo apoio concedido irrestritamente.
Ao apoio dos nossos queridos Marcos,Thiago,Yana e Camila pelo apreço depositado.
A nossa querida Ariela (Ari) fotógrafa de mão cheia!
Aos adoráveis Gustavo e Amaro nossos apoiadores da bilheteria.
A Chico Domingues nosso grande amigo e a todos e todas que participaram brilhantemente dessa caminhada!

Evoé!

Mais uma postagem sobre a presença o "Cordel do Amor Sem Fim" no Palco Giratório Pb.

Cordel do amor sem fim' será encenado na Aldeia Sesc dia 21
Publicado por Lindjane Pereira no site Paraiba.com.br em 13/10/2010 | 11h32 Atualizada em ( 13/10/2010 | 11h33 )
Da asessoria
“Carminha ama José, que ama Tereza, que ama Antônio...” Como no poema Quadrilha, de Carlos Drummond de Andrade, os personagens de Cordel do amor sem fim estão arriscados a não encontrar a felicidade, tamanhos são os desencontros que os rodeiam. Esse é o mote da peça teatral a ser apresentada às 21h30, dia 21 de outubro, na Área de Lazer do SESC Centro João Pessoa, como uma das atrações nacionais da Aldeia Sesc 2010.

Cordel do Amor Sem Fim é encenado pelo grupo O Poste: soluções luminosas e iluminarias, sob direção de Samuel Santos e compondo o elenco Agrinez Melo (Carminha), Nana Sodré (Madalena e Antônio), e Thomaz Aquino (José). Para a entrada no evento solicita-se a doação de um brinquedo novo ou usado (em bom estado) para ser destinado à Campanha Natal Solidário 2010 promovida pelos alunos do curso de Relações Públicas da UFPB em parceria com o Banco de Alimentos do Sesc.

Cordel do amor sem fim é uma obra da escritora baiana, Cláudia Barral, inspirada nos relatos que seu pai fazia sobre a cidade de Carinhanha. Embora o título possa remeter ao gênero cordel como praticado no Brasil, ou seja, rimado e metrificado, Cláudia se baseou na tradição ibérica de dependurar em cordas livros, romances e peças de teatro para serem vendidas. O texto bebe na fonte do contemporâneo e transcende o cotidiano do tema proposto e o coloca em outra perspectiva: a da universalidade da relação e do sentimento no seu estado mais primitivo.

Espetáculo

A peça foi premiada em terceiro lugar pelo prêmio Funarte de Dramaturgia, em 2003. E se passa na cidade de Carinhanha, Sertão baiano, às margens do Rio São Francisco, que de certa maneira é um dos personagens da trama. Na cidade vive três irmãs – a velha Madalena, a misteriosa Carminha e a jovem e sonhadora Tereza –, por quem José é apaixonado.
Drummondianamente, Carminha ama José, que ama Tereza que ama Antônio, um viajante por quem ela se apaixona no porto da cidade, no dia em que um almoço marcaria o pedido de casamento feito por José. O moço promete a ela que irá voltar para buscá-la. Toda a trama então se desenrola em função desse tempo de espera e de esperanças. Tereza é tocada por um desejo sem medida, que a faz viver todos os dias em função dele. A certa altura, ela afirma: “o tempo é coisa que não tem medida”. Contada de uma forma poética e com um final surpreendente, tudo de forma poética.

Grupo
A proposta em dar luz do teatro a dança nasceu em 2004. Com trabalhos premiados no Estado e fora dele. No grupo existe a formação de suas atrizes em licenciatura de artes cênicas pela UFPE, com participação ativa em grupos de pesquisa e investigação teatral.
A Área de lazer do SESC Centro fica na Rua Desembargador Souto Maior, 281, região central da Capital.